Archive for the Cristal solitário Category

Novos tempos

Posted in Cristal solitário on janeiro 6, 2008 by sabrinabenites
novostempoe.gif
Novos tempos
Cristal solitário

Agora, a brisa que bate a face, me traz os novos tempos de um desafio: o de amar novamente e, como se fosse um soldado, preparo-me a este, com a certeza, mesmo que ferido seja, terá valido a pena sentir o amor novamente em meu viver.

Quero me transformar na borboleta que livremente voa e encanta nos jardins da esperança, tornar-me solto, feliz e gritar ao mundo que te amo e, que sem você, tem meus dias se tornado fardo pesado.

Jogo fora o medo e a indecisão, sepulto as perguntas, lanço-me neste turbilhão de emoções a sentir você por inteiro, entregando-me sem limitações a tuas mãos e te ofertando meu coração.

Quero ser o sol a aquecê-lo em todas as manhas, a lua a encantar teu coração, as estrelas a acompanhar nosso historia…

Quero ser o oceano a banhar-te a silhueta sensual em noite de luar, a areia a ser nosso leito de amor, a terra a ser testemunha de nossos desejos, quero-te por todas as formas e meios e em todos os lugares, pois sem você minha vida e meu mundo não têm mais cor.

Te amo.

Lágrimas de saudade

Posted in Cristal solitário on dezembro 30, 2007 by sabrinabenites
lagrimasdesuadade.gif
Lagrimas de saudade.
Cristal solitário
Adentras a porta de minha alma, toma meu coração e me tornas teu em noites intermináveis de magia e sedução.
Fazes de cada dia um instante mágico e meu coração sorri com serenidade. Repousa, enfim, após a longa batalha.
Dá a solidão como vencida, promete-me poder ter-te pelos meus dias e, a seguir, a crença que, enfim, poderei voltar amar e ser amado.
Gestos de menino, de homem e de mulher se misturam sem limites, os corpos se entregam em êxtase total.
Faz tudo ao redor parecer pequeno e transformas meu mundo em teu, coloca chaves em meu coração e se torna o guardião das mesmas.
Silhueta de homem, alma de mulher…  traz a mistura do mistério, sensualismo, delicadeza e  ao mesmo instante, de força e persistência.
Faz enfim, de pequenos caminhos de minha alma grandes alamedas floridas e prontas a receber-te em solo seguro.
Mas o tempo ingrato, senhor absoluto vem e cobra teu retorno.
 Voltas tu para os teus agora.
Será dada a resposta.
 Seremos fortes o suficiente para a tal espera ou seremos vencidos?