Archive for the Fanny Category

Ilusões

Posted in Fanny on janeiro 3, 2008 by sabrinabenites
ilusoes.gif
Ilusões
*Fanny*
Voam ilusões no céu enrubescido
partem plangentes em asas de dor
afagam-se no Sol débil, adormecido…
escondem-se em notas dolentes de amor.
Os sonhos esvaem-se em enxurradas
As ondas levam-nos sem piedade
Chora o azul em névoa, desconsolado
ultima-se a poesia em fatalidade.
As pálpebras da noite unem-se em luto
as estrelas choram sem resplendor
o vento recolhe o devaneio, resoluto…
Ilusões meigas adornavam o meu ser
eram candeias fulgentes de encanto
que se extinguem no soluçar do anoitecer.

Horizonte do Sonho

Posted in Fanny on dezembro 7, 2007 by sabrinabenites

turca_sollua.gif

HORIZONTE DO SONHO
*Fanny*

 

Suave jardim perfumado de brisas estelares,
oásis de sonho, por onde adentra minh’ alma…
levitação que ascende aos aromas lunares
numa espiral de emoções que tudo acalma.

 

Matizadas telas que os meus olhos alcançam,
resguardo celestial no bailado do coração,
ternas carícias em mim, que tudo amansam,
refrigério doce no voejar infindo da canção.

 

Florescem melodias, murmúrios de estrelas…
vozes de infinito a ondear na memória do vento,
ternuras hialinas entretecidas no pensamento.

 

Deixem-me devanear, não acordem o tormento!
Sou pluma afortunada no horizonte do sonho…
Quero voar, qual fada azul, num empíreo risonho.

Alcochete, 12 de Outubro de 2007

Cântico das Brisas

Posted in Fanny on novembro 22, 2007 by sabrinabenites

canticodasbrisas.jpg

CÂNTICO DAS BRISAS
*Fanny*

Talvez, olhando o rubor do horizonte
vislumbres arco-íris perdidos sem dor
e te banhes em cascatas da sagrada fonte,
doces carícias, aromas do meu amor.

Talvez te cantem brisas de lembranças
acordando a voz silente do teu coração,
contínuos murmúrios…melodias em aliança
no aconchego estelar da secreta ilusão.

Quisera suavizar as brumas da Razão…
Dissolver as nuvens sofridas da alvorada…
Apagar as névoas semeadas na solidão.

Quisera encontrar as estrelas afugentadas
do teu olhar…oásis perfumado de emoção…
Afago (e)terno, minha melíflua morada.